segunda-feira, 5 de março de 2012

Replantio de Orquídeas

HORA DO REPLANTIO



Plantas bem-cuidadas são sinônimos de lindas flores. Aprenda o momento e o jeito certo de renová-las.

Nobres e belas, porém frágeis, as orquídeas precisam passar pelo replantio para continuarem saudáveis. Geralmente, o período ideal para isso é logo após as floradas, quando as flores murcham e novas raízes começam a nascer.
É muito importante que o processo seja feito a cada dois anos, para que a planta não sobre ações de bactérias, fungos ou doenças.
Veja como deve ser feito, segundo Elza Kawangoe, presidente da Associação Orquidófila de São Paulo:



- Corte a flor com uma tesoura esterilizada e retire a planta do vaso.
- Limpe bem a planta e retire a casca que envolve o bulbo. Essa casca é necessária apenas para formação da haste, após isso torna-se prejudicial, pois propicia um ambiente ideal para proliferação de fungos e cochonilhas.
- Aproveite o momento e verifique se as raízes estão bem. Corte as velhas e secas. As claras e mais cheias, são as novas que devem ser preservadas.
- Retire todo o substrato e lave bem a planta.
- Deixe escorrer bem a água antes de replantar. Quando as raízes estão úmidas elas ficam mais flexíveis e fáceis de manusear.
- Para garantir a eficácia do replantio, é preciso reenvasar a orquídea em um novo vaso. O melhor é o de barro, pois transpira pelos poros e deixa a planta menos tempo molhada. Os de plástico são mais baratos, porém retêm muita água e exige mais cuidados nas regas.



MATERIAIS



- Substrato novo que pode ser musgo seco, fibra de coco, mistura de casca de pinus, coco e carvão, à venda em lojas especializadas e Garden Centers. Não use terra, pois apresenta muitas bactérias.
- Um vaso de Plástico ou de barro, que seja maior que o anterior e deixe espaço para a planta se desenvolver.
- Cacos de vaso ou de telha, que drenam a água.
- Espetinho de bambu para firmar plantas altas.



COMO FAZER O REENVASE

1) Enxague várias vezes o material a ser utilizado. Elimine qualquer tipo de sujeira, principalmente do substrato.

2) Separe o vaso de preferência, coloque uns dois dedos de material de drenagem e forre com uma pequena camada de substrato.

3) Coloque a planta com a parte de trás, o bulbo que não apresenta flor, encostada na borda.

4) Se for uma Phalaenopsis, deixa a orquídea no meio, acomode cuidadosamente as raízes e procure envolvê-la sem espremer, protegendo-a. Complete todo o espaço do vaso.

5) No caso de plantas mais altas, elas podem balançar. Prejudicando sua fixação e seu desenvolvimento. Os espetinhos de bambu ajudam a dar firmeza. Espete com cuidado pra não ferir as raízes e amarre com amarilho de plástico.
Nesse momento não há necessidade de adubar, mas, para garantir a próxima florada, não esqueça de tomar os cuidados básicos de cultivo.



. As irrigações devem ser mais frequentes durante os meses de calor, e menores no inverno. O importante é observar que a planta esteja úmida e não encharcada. O excesso de água causa o apodrecimento das raízes e a proliferação de fungos.



. A iluminação é outro item importante para o desenvolvimento. O excesso de luz deixa as folhas amareladas. A falta faz crescer a parte vegetativa, mas não as flores, e as folhas ficam em um tom verde-escuro. O ideal é que estejam verde-claras.



. Use sempre um adubo balanceado, se for orgânico, a orquidófila Elza sugere colocar uma colher de café a cada três meses. Caso seja solúvel, ela indica diluir o pó em um litro de água.



. É preferível que a planta fique em locais arejados, para que se desenvolva de forma vigorosa. Ambientes fechados propiciam diversas pragas.
Agora, é só esperar chegarem as flores.





Por Tatiane Ribeiro
Fonte : Elza Kawagoe
Revista O mundo das Orquídeas Ano 11 – Nº 59

2 comentários:

  1. Respostas
    1. Cleo, já encaminhei vários e-mail
      a Cattleya intermedia que prometi já estão com raizes e brotinho, faça um contato o mais breve possivel
      beteorquidea@hotmail.com
      abraços

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...