quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Ornitthocephalus myrticola - Brasil e Bolivia



Ornitthocephalus myrticola do blogdabeteorquideas

Ornitthocephalus myrticola do blogdabeteorquideas





Ornithocephalus é um género botânico pertencente à família das orquídeas (Orchidaceae). Foi proposto por Hooker em Exotic flora 2: t. 127, em 1824. O Ornithocephalus gladiatus Hook. é a espécie tipo deste gênero. O nome do gênero refere-se ao fato da coluna de suas flores lembrar o formato de uma cabeça de passarinho com longo pescoço
Distribuição
Ornithocephalus agrupa cerca de quarenta espécies epífitas distribuídas pela América tropical e equatorial, normalmente crescendo à sombra nas matas úmidas. Sete estão registradas para o Brasil.
Descrição
São plantas sem pseudobulbos, com folhas carnudas, chatas, equitantes, gumiformes, que formam belos leques ou fascículos sobre curtíssimo caule nodiforme, por vezes invertidos ou pendentes dos ramos das árvores. As múltiplas inflorescências, eretas ou arqueadas, emergem das axilas das folhas, em regra mais de uma vez por ano com poucas ou muitas flores, espaçadas ou próximas.
As minúsculas flores são bastante variadas, sempre delicadas, e muito interessantes. Normalmente granulosas ou pilosas, com segmentos mais ou menos espalmados, algo côncavos, algo vicidulosas em regra brancas, quase translúcidas, com detalhes amarelos ou verdes, possuem labelo trilobado e a coluna, sempre muito alongada e sinuosa, como foi dito, tem a aparência de uma cabeça de passarinho com grande antera de rostro longo, ou seja prolongamento em forma de bico, com conetivo comprido e sobreposto ao rostelo dá coluna. Dentro de seu clado, Ornithocephalus é um dos poucos gêneros que não apresenta estaminóides dos lados da coluna.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Foto e cultivo : Elisabete Delfini

PLANTAS PARA TROCA
http://blogdabeteorquideas.blogspot.com.br/2012/12/permuta-de-orquideas.html

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Cirrhopetalum roxburghii

 
Cirrhopetalum roxburghii  do blogdabeteorquideas

Cirrhopetalum roxburghii  do blogdabeteorquideas


 Cirrhopetalum , abreviado como TJCR no comércio hortcultural, é um gênero de epífitas orquídeas ( família Orchidaceae , da subfamília Epidendroideae ). Este gênero está intimamente relacionado com Bulbophyllum e seus membros têm sido até recentemente considerada no gênero Bulbophyllum . O nome vem de taxon Latina cirrus ( franja ) e grego Petalon ( pétala ), portanto, o que significa franja pétalas .

As plantas deste gênero são geralmente pequenas plantas rasteiras com rizomas . Características que distinguem este gênero de Bulbophyllum são:
A dorsal sepal de Cirrhopetalum é muito menor do que o normalmente sepal inrolled lateral que tem margens adnate.
Há geralmente um umbellate inflorescência que pode ser vertical, pendentes ou arqueamento.
Os pseudobulbos são cônico e obscuramente ângulo com uma folha de colher como single no topo de cada pseudobulbo
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre
Fotoe e cultivo : Elisabete Delfini

sábado, 22 de dezembro de 2012

Rodriguezia venusta


Rodriguezia venusta  do blogdabeteorquideas



Rodrigesia Venusta

Espécie que medra nas matas do litoral brasileiro, desde Pernanbuco até o Rio Grande do Sul. Pseudobulbos compridos sustentendo dua a três folhas etreitas e coriáceas de 15 cm de comprimento e de cor-verde claro. Flores muito perfumadas que formam graciosos racimos recurvados. Pétalas e Sepatas de cor branco-leitosa, labelo bem encrespado dotado de mácula amarela. É altamente decorativa. Floresce em outubro/novembro.
Gênero classificado por Ruiz e Pavón, em 1794. Nome dado em homenagem a Manoel Rodrigues, botânico espanhol e contemporâneo dos exploradores Ruiz e Pavón. Encontra-se na subfamília Yonopsideae. Gênero de pequenas plantas que vegetam desde a Costa Rica até o Brasil e o Perú. Tem 30 espécie e são epífitas.
Revista O Mundo das Orquídeas
Foto e cultivo : Elisabete Delfini

É Natal


sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Trigonidium acuminatum

Trigonidium acuminatum  do blogdabeteorquideas

Trigonidium acuminatum do blogdabeteorquideas

Trigonidium acuminatum  do blogdabeteorquideas

 Trigonidium

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Trigonidium é um género botânico pertencente à família das orquídeas (Orchidaceae). Foi proposto por John Lindley em Edwards's Botanical Register 23: t. 1923, em 1837. O nome é uma referência ao triângulo formado pela posição das sépalas de suas flores. O Trigonidium obtusum Lindley é a espécie tipo deste gênero.

 Distribuição
 Trigonidium agrupa cerca de catorze espécies epífitas, raro rupícolas, de crescimento cespitoso, que existem na área compreendida entre México, Peru e Brasil, normalmente crescendo à sombra das matas úmidas da Serra do Mar e do interior.

  Descrição
 Trigonidium é parente muito próximo de Maxillaria, e com as mesmas pode ser facilmente confundido quando sem flores. Podem ter rizoma curto ou longo. São plantas pequenas ou médias, com pequenos pseudobulbos lateralmente comprimidos, que lembram os de uma Mormolyca rufescens em algumas espécies, ou de uma Maxillaria cerifera em outras, com uma a três folhas apicais.

 Caracteriza-se por suas flores solitárias, em longo pedúnculo que brota das baínhas que guarnecem os pseudobulbos, com largas sépalas unidas na base, ou pelo menos justapostas, formando uma espécie de tubo cônico ou cálice, que se alarga para a extremidade e abrigando pequenas pétalas bem pequenas quando comparadas às sépalas, e ainda menor labelo trilobado. Possuem quatro polínias.
São plantas de cultivo muito fácil, extremamente floríferas, algumas espécies bastante perfumadas.

" É NATAL "


terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Brasilaelia tenebrosa

Brasilaelia tenebrosa do blogdabeteorquideas

Brasilaelia tenebrosa do blogdabeteorquideas



Brasilaelia tenebrosa

Espécie vigorosa com pseudobulbos claviculados alcançando até 20 cm de altura portando uma única folha oblongo-lanceolada, bem espessa de cor verde-escuro com pequenas pontas escuras. Flores grandes de 20 cm de diâmetro um pouco onduladas. Pétalas e sépalas escuras de cor chocolate ou marron-púrpura, labelo encrespado com zona branca marginal. Vegeta em matas mais ou menos sombrias no sul do Brasil e norte do Espirito Santo numa altitude de 800 a 1000metros. Floresce em dezembro.

Revista O Mundo das Orquídeas Nº 1
Foto e cultivo : Elisabete Delfini
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...