domingo, 23 de junho de 2013

Como manter as orquídeas no inverno ?


COMO MANTER AS ORQUÍDEAS NO INVERNO?

São necessários cuidados especiais nesta época do ano, pois o vento frio é o inimigo número um dessas flores, ao contrário da chuva que antecedem o período de estiagem.

Especialmente entre junho e agosto temos uma variação climática e de temperaturas muito grande, principalmente em São Paulo e na região Sul do País. O vento frio é o inimigo número um das orquídeas, ao contrário das chuvas que antecedem o período de estiagem. Embora muitos pensam que as chuvas não são propícias ao cultivo de orquídeas nesse período, elas são muito benéficas, pois evitam que as fiquem secas e sofram a baixa umidade atmosférica.
Além dos cuidados preventivos de combate às pragas corriqueiras, o trabalho com as plantas, nesse período, não é muito extenso, já os cortes e replantes das orquídeas ficam suspensos até o fim de agosto.

BAIXAS TEMPERATURAS

Quando o cultivo for amador e não houver estufa para a cultura das plantas, é aconselhável recolhê-las para o interior da residência, principalmente as precedentes de regiões mais quentes, que dificilmente se adaptam às noites frias.
É bom lembrar, ainda, que os Dendrobiuns, especialmente os do grupo ”Nobile” ou “olho de boneca”, como são popularmente conhecidos, devem receber somente leves pulverizações e regas normais, para prevenir o aparecimento de mudas vegetativas no lugar de botões floridos. A mesma dica vale pra seus híbridos.
O gênero, oriundo da Ásia, da Tailândia e da Índia, cresce em árvores desde as planícies até as frias montanhas do Himaláia, a 1.400 metros. consideradas extremamente resistentes, os Dendrobiuns dessas regiões sobrevivem a uma forte variação de temperatura, que vão desde o intenso calor às geadas. . Quanto mais secas, as espécies podem sobreviver a temperatura de 1º a 2ºC, e ainda florescer em setembro.

APÓS INVERNO

Superada a fase de inverno, é hora de iniciar a adubação com adubo nitrogenado, mas só quando derem os primeiros sinais de vegetação. O nitrogênio é elemento essencial para o crescimento da planta, estando presente na formação da clorofila e na síntese das proteínas.
Um bom produto para ser utilizado na pulverização das plantas, nessa época, é a uréia. Deve-se pulverizá-la, portanto, na proporção de um grama por litro (1/1000) e observar os efeitos imediatos, principalmente em plantas enfraquecidas ou com folhas amareladas.
Esse também é o período mais indicado para dar início à preparação dos materiais, que servirão para os futuros replantes da próxima primavera.

PRINCIPAIS DICAS

REGAS

A água é o fator de maior importância no inverno. Com dias mais curtos e frios, a água tende a demorar mais para secar e, com isso, pode ocasionar a proliferação de fungos e bactérias. Como as estão com o metabolismo muito baixo, elas absorvem menos água e não necessitam ficar molhados por muito tempo, o que reduzir ao máximo as regas, chegando a ficar muitos dias sem precisar delas. Muitas orquídeas resistem a longos períodos secos nessa época fria, mas é importante lembrar que elas são sensíveis às correntes de ar de baixa temperatura. Na dúvida, procure se informar sobre o habitat, para certificar-se até que ponto elas podem resistir.

TEMPERATURA

Em geral, os pseudobulbos que crescem na primavera e no verão é amadurecido no outono, requerem quase um mês de baixas temperaturas noturnas. Por isso, quando as noites se tornam mais frias, é desaconselhável levar as plantas para uma estufa de imediato, a menos que haja previsão de geada. Deixe-as do lado de fora, no frio, e elas florescerão melhor. Quando em plena florescência, as flores durarão mais se mantidas em local frio, seco e longe da incidência direta da luz solar. A temperatura noturna ideal é de 5ºC a 10ºC.

LUMINOSIDADE

Por ser um país tropical, raramente existem problemas com insuficiência de luminosidade no Brasil é termos excesso de luz. Porém muita luz atrapalha o trabalho da clorofila, e os brotos novos endurecem e param de crescer. As folhas e os pseudobulbos podem ficar amarelos e sofrer queimaduras, caso exposta ao sol, causando sérias feridas que dão margem aos fungos e às bactérias, podendo até morrer.
A falta de luminosidade enfraquece as folhas e os pseudobulbos, inibindo a floração e causando doenças. Para verificar a quantidade de luz necessária, basta observar a cor das folhagens. Se elas apresentam um tom de alface, indica que a claridade existente é a ideal; caso o verde seja mais escuro, tendendo para o verde garrafa, há insuficiência de luz. E se tiverem ainda um tom verde amarelado, certamente há excesso.
Algumas espécie gostam de mais luminosidade no inverno e mais proteção no verão como, por exemplo, os Oncidiuns. A simples troca de lugar do vaso, mesmo que por alguns centímetros, possibilita maior ou menor incidência de luz, podendo influenciar no aspecto de floração das plantas.

FERTILIZAÇÃO

Para as plantas adultas, o ideal é um fertilizante fraco em nitrogênio. Outra recomendação é evitar a fertilização após o mês de fevereiro, o que garante uma boa floração. Plantas pequenas, cultivadas onde a temperatura de inverno costuma ser abaixo de 7ºC, exigem um fertilizante com alta porcentagem de nitrogênio, mas somente quando o termômetro se elevarem a 15ºC ou mais – nos meses de setembro e outubro. Caso a temperatura noturna seja superior a 10ºC, comece a fertilizar no mês de julho.
Porque algumas vezes a orquídea não dá flor? As principais causas podem ser o excesso ou a falta de água, de adubo ou de iluminação, além de temperatura constantemente em excesso (o ideal é quente durante o dia, pela maior incidência do sol e mais amena durante a noite.

Por Vanessa Moura e José Antônio Endsfelz

Revista O mundo das Orquídeas –Ano 11 - nº 55

4 comentários:

  1. tenho enfrentado uma praga nas minhas orquideas que pareçe uma baratinha de cor laranja , estou matando todo dia mas apareçe sempre mais.acho que vou ter que recorrer a um fungicida.

    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simone
      Veja:
      Tenthecoris bicolor por Wolf em Seg Ago 31, 2009 02:14 Pra quem ainda não conhece, esse bichinho das fotos é o Tenthecoris bicolor, que é altamente maléfico as orquídeas.São insetos sugadores que provocam grandes lesões irreparáveis nas folhas e bulbos, muitas vezes enfraquecendo a planta e levando-a a morte.Aproveitam também as folhas para depositar seus ovos, acarretando no desenvolvimento de grandes colônias de insetos em muito pouco tempo. Combate e prevenção. Utilize inseticidas sistêmicos ou de ação prolongada bem como repelentes como o óleo de nin (neem), se o ataque já estiver ocorrendo utilize inseticida de contato para acabar com os insetos adultos e reaplique em intervalos de 7 dias para acabar com os ovos que forem eclodindo. Para um combate efetivo dessa praga é essencial um orquidário totalmente fechado com a tela de sombreamento, evitando que esses insetos entrem voando até suas plantas. http://www.tudosobreorquideas.com.br/forum/viewtopic.php?f=20&t=76#sthash.W1LLwgrl.dpuf

      Excluir
  2. Bete, de acordo com a materia tenho feito duas coisas erradas, fiz um replante de uma chuva de ouro esses dias ,pois estava muito cheia de raiz e as folhas estavam secando ,na verdade pareciam desidratadas ,depois amarelavam, secando e caindo, por isso replante,mas as novas mudas ja estão com novas folhinhas. Outra coisa é a fertilização, tenho adubado a cada 15 ou 20 dias, como orienta na embalagem e o proprio produtor . Tenho obtido bons resultados, estou com tres especies iniciando floração, ainda não sei qual ,mas assim que florirem mando uma fot para vc me orientar. Muito obrigada pela materia, sempre bem elaborada e esclarecedora, de muita ajuda. Bjos e boa semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Angela
      Tempo de tudo para não replantar nesta época mas, é claro em alguns casos é inevitável.
      Quanto a adubação, umas precisam outras não, então não paro
      não tenho como separar.
      Posta sim sua planta.
      abraços

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...