sábado, 30 de novembro de 2013

Rodriguezia venusta

Burlingtonia fragrans, Burlingtonia venusta, Burlingtonia knowlesii, Rodriguezia flavida, Rodriguezia fragrans.

Burlingtonia fragrans, Burlingtonia venusta, Burlingtonia knowlesii, Rodriguezia flavida, Rodriguezia fragrans.


Rodrigezia Venusta
Sinônimos: Burlingtonia fragrans, Burlingtonia venusta, Burlingtonia knowlesii, Rodriguezia flavida, Rodriguezia fragrans.
Origem:  Espécie que desde a Costa Rica até o Brasil e o Perú
Dimensão da Flor: 3,7 cm
Época da Floração: outubro/novembro.
Foto e cultivo:  Elisabete Delfini
. Pseudobulbos compridos sustentendo dua a três folhas etreitas e coriáceas de 15 cm de comprimento e de cor-verde claro. Flores muito perfumadas que formam graciosos racimos recurvados. Pétalas e Sepatas de cor branco-leitosa, labelo bem encrespado dotado de mácula amarela. É altamente decorativa.
Gênero classificado por Ruiz e Pavón, em 1794. Nome dado em homenagem a Manoel Rodrigues, botânico espanhol e contemporâneo dos exploradores Ruiz e Pavón. Encontra-se na subfamília Yonopsideae. Gênero de pequenas plantas que vegetam. Tem 30 espécie e são epífitas
Pesquisa : Revista O Mundo das Orquideas – Wikipédia; a enciclopédia livre – Orchidstudium.

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Livro Orquídeas da Serra do Castelo, Espírito Santo, Brasil

Lançamento do volume 3 do livro Orquídeas da Serra do Castelo, Espírito Santo, Brasil


Lançamento do terceiro volume da Série Orquídeas da Serra do Castelo (Espírito Santo, Brasil), segundo a ser lançado da coleção, possui 400 páginas em papel couché alto brilho, com centenas de fotos e desenhos em nanquim, onde serão apresentadas aproximadamente 169 espécies de 34 gêneros (incluindo Cattleya, Hadrolaelia, Laelia, Epidendrum, Encyclia, Prostechea, Pseudolaelia, Dimeranda, Eulophia, Elleanthus, Sobralia, Liparis, Malaxis, Bulbophyllum, Polystachya, Oeceoclades, Govenia, Cyrtopodium, Catasetum, Galeandra, Grobya, Cycnoches, Isochilus, Nemaconia, Brassavola, Dungsia, Hoffmannseggela, Sophronitis, Jacquiniella, Scaphyglottis, Constantia, Isabelia, Leptotes e Campylocentrum).
Esta coletânea tem como objetivo apresentar TODAS ESPÉCIES, oferecendo para cada uma, nota taxonômica, descrição morfológica e, muitas vezes, uma iconografia constituída de uma prancha botânica e uma fotografia em cores.
Sabe-se que no Brasil existem cerca de 2.500 espécies de Orquídeas (quantidade recalculada), e dessas, cerca de 730 espécies (30%) habitam a Serra do Castelo (também conhecida como Serra do Espirito Santo). Nesses últimos 13 anos, foram estudadas e pesquisadas intensivamente, para serem apresentadas nessa coleção de quatro livros científicos bilíngues FRANCÊS-PORTUGUÊS que estamos disponibilizando agora.
Os interessados deverão enviar um e-mail para renatoxb@hotmail.com informando o nome completo, endereço completo e número de telefone para contato.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Acianthera smithiana

Referência tamanho da flor: Palito de fósforo





Acianthera smithiana que tem inflorescêncIa muito curta com flores de labelo com calos bastante diferentes.
Acianthera smithiana: espécie descrita por Lindley, atualmente considerada sinônimo de A. pubescens por alguns taxonomistas. Trata-se de planta de porte similar ao da citada, mas com inflorescência mais curta e aglomerada, com menos flores de labelo de outro formato com calos bastante diferentes.

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Acianthera minima-Cryptophoranthus minimus

Referência tamanho da flor : Palito de fósforo
Pleurothallis minimifolia,  Acianthera minimifolia   , Cryptophoranthus minimus.

Pleurothallis minimifolia,  Acianthera minimifolia   , Cryptophoranthus minimus.



 
Sinônimos: Pleurothallis minimifolia,  Acianthera minimifolia   , Cryptophoranthus minimus.
Origem: Compreende doze espécies miniaturas que existem no sudoeste e sul do Brasil e Norte da Argentina.
Dimensão da Flor: 0,5 mm
Época da Floração: ?
Foto e cultivo:  Elisabete Delfini
Descrição: Acianthera minima é uma espécie de orquídea epífita, família Orchidaceae, do Estado de São Paulo, Brasil, Cogniaux descreveu esta espécie com base em uma planta encontrada por Loefgren na Serra da Bocaina. Pela descrição original trata-se de planta muito similar à Acianthera cryptantha sobre as quais Cogniaux não estabelece a diferença.
Desde 2010 esta planta encontra-se classificada na secção Cryptophoranthae de Acianthera, mas antes era conhecida como Cryptophoranthus minimus. Os Cryptophoranthus são as espécies brasileiras de Acianthera com caules curtos e flores juntas ao substrato. Suas flores têm as extremidades das sépalas coladas formando uma pequena janela.
As fotos que trazemos aqui são de uma planta, encontrada na Serra da mantiqueira que é bastante menor que a descrição de Cogniaux sugere. A menor espécie que pertence a esta Secção. Suspeitamos da possibilidade de a A. minima ser um sinônimo da A. cryptantha e que esta, aqui fotografada, seja, o Cryptophoranthus minutus cuja identidade ainda não está bem esclarecida. Somente quando for publicada uma revisão deste grupo saberemos com certeza.
Pesquisa : Revista O Mundo das Orquideas – Wikipédia; a enciclopédia livre - Orchidstudium

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Masdevallia infracta

Referência tamanho da Flor : Moeda de 10 centavos.
Sinônimos: Alaticaulia infracta, Masdevallia aurantiaca, Masdevallia tridentata, Masdevallia triquetra, Masdevallia albida, Masdevallia longicaudata, Masdevallia aristata, Masdevallia forgetiana.

Sinônimos: Alaticaulia infracta, Masdevallia aurantiaca, Masdevallia tridentata, Masdevallia triquetra, Masdevallia albida, Masdevallia longicaudata, Masdevallia aristata, Masdevallia forgetiana.




Masdevallia infracta
Sinônimos: Sinônimos: Alaticaulia infracta, Masdevallia aurantiaca, Masdevallia tridentata, Masdevallia triquetra, Masdevallia albida, Masdevallia longicaudata, Masdevallia aristata, Masdevallia forgetiana.
Origem: Bolívia e Mata Atlântica brasileira.
Dimensão da Flor :  de 2 a 5 cm
Época da Floração: Floresce de novembro até março.
Foto e cultivo:  Elisabete Delfini
Descrição: Espécie epífita encontrada numa altitudes de até 1000m em troncos e galhos horizontais ou inclinados, geralmente com colônia de muitas plantas em locais úmidos e sombrios. Plantas espaçadas com folhas de 15cm de altura com bainha em forma de membrana na base. São espatuladas em 2 cm de largura, arredontada na sua extremidade e com nervura central carnosa. Inflorescência de 12 cm de altura, ereta, com secção transversal triangular. Flor parecendo um cálice irregular com três sépalas fundidas e caldadas alongadas. Existem muitas variedades de cores, desde o branco leitoso até púrpura escuro. Nas suas inflorescência antigas, surgem sempre novas flores.
Pesquisa : Revista O Mundo das Orquideas Ano 4 Nº 20– Wikipédia; a enciclopedia livre.

domingo, 24 de novembro de 2013

Pleurothallis arcuata


Humboldtia arcuata, Stelis arcuata ,Specklinia arcuata, Lepanthes chrysosepala, Pleurothallis rhombopetala, Pleurothallis ocellata.

Humboldtia arcuata, Stelis arcuata ,Specklinia arcuata, Lepanthes chrysosepala, Pleurothallis rhombopetala, Pleurothallis ocellata.




Pleurothallis arcuata
Sinônimos: Humboldtia arcuata, Stelis arcuata ,Specklinia arcuata, Lepanthes chrysosepala, Pleurothallis rhombopetala, Pleurothallis ocellata.
Origem:  Áreas Sombreadas e úmidas da Mata Atlântica do Sudeste do Brasil, Venezuela, Guiana, Peru.
Dimensão da Flor: 1 cm
Época da Floração: Verão
Foto e cultivo:  Elisabete Delfini
Descrição: Espécie epífita de crescimento baixo rizoma fino e rastejante. Não tem pseudobulbos. Hastes finas portando folhas espatulares e coriáceas com vinco profundo na sua parte central. Hastes florais também finas com 10 cm de altura portando de cinco a oito flores. Flor de cor amarelo esverdeada e densalmente pintalgada de marrom bronzeado. Vegeta em matas sombrias e úmidas.
Pesquisa : Revista O Mundo das Orquideas– Ano 6 Nº 28 – Wikipédia; a enciclopédia livre - Orchidstudium

sábado, 23 de novembro de 2013

Anathallis modesta

Referência tamanho da flor : Moeda de 10 centavos
Pleurothallis modesta, Lephantes modesta, Specklinia modesta

Pleurothallis modesta, Lephantes modesta, Specklinia modesta




 

Anathallis modesta
Sinônimos: Pleurothallis modesta, Lephantes modesta, Specklinia modesta
Origem:  Brasil
Dimensão da Flor: menos de 1 cm
Época da Floração: Floresce da primavera e verão
Foto e cultivo:  Elisabete Delfini
Descrição: Espécie epífita com crescimento formando pequenas touceiras. Não tem pseudobulbos mas grossas hastes, portando  uma só folha, de bastante consistência, larga e lanceolada. Pequenas flores surgem da base das folhas. Vegeta em matas sombrias.  
Pesquisa :– Wikipédia; a enciclopédia livre – Orchidstudium - Revista O mundo das Orquídeas

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Panmorphia adenochila

Referência tamanho da flor : Moeda de dez centavos
 
Specklinia adenochila, Pleurothallis adenochila, Pleurothallis aquinoi, Anathallis adenochila, Anathallis aquinoi.

Specklinia adenochila, Pleurothallis adenochila, Pleurothallis aquinoi, Anathallis adenochila, Anathallis aquinoi.




 
Panmorphia adenochila
Sinônimos: Specklinia adenochila, Pleurothallis adenochila, Pleurothallis aquinoi, Anathallis adenochila, Anathallis aquinoi.
Origem:  Sudeste e Sul do Brasil
Dimensão da Flor: 0,5mm
Época da Floração: Verão
Foto e cultivo:  Elisabete Delfini
Descrição: Pequena espécie entouceirada com folhas carnosas e espatuladas, de cor verde-escuro na parte de cima, e de cor vinho claro na parte de baixo. Mede 3 cm de comprimento, afunilando-se na base até um pecílio redondo de 1 cm de altura com pequena bainha. Inflorescência curta de 3 mm, surge na base das folhas, dando várias flores sucessivamente. Flores em formato de estrela são de cor amarelo com bases de cor marfim e vermelho-tijolo. Minúsculo labelo quase negro. Vegeta em matas primitivas e úmidas, com condições média de luz e vento, a 1200m de altitude
Pesquisa :– Wikipédia; a enciclopédia livre – Orchidstudium – RevistaMundo das Orquídeas – Ano 4 Nº 21

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Acianthera strupifolia

Primeira vez florindo, ela é muito linda.
Referência tamanho da flor: Régua
Pleurothallis strupifolia ,Humboldtia strupifolia,Pleurothallis bicolor Pleurothallis hookeri ,Restrepia liebmanniana ,Pleurothallis glaucophylla.

Pleurothallis strupifolia ,Humboldtia strupifolia,Pleurothallis bicolor Pleurothallis hookeri ,Restrepia liebmanniana ,Pleurothallis glaucophylla.




 
Acianthera strupifolia
Sinônimos: * Pleurothallis strupifolia ,Humboldtia strupifolia,Pleurothallis bicolor Pleurothallis hookeri ,Restrepia liebmanniana ,Pleurothallis glaucophylla.
Origem:  Brasil : Rio de Janeiro e Santa Catarina
Dimensão da Flor: 1 cm
Época da Floração: Floresce na primavera.
Foto e cultivo:  Elisabete Delfini
Descrição: Curiosa e exótica espécie sem pseudobulbos e com rizoma rastejante. Folhas lineares coriáceas parecendo pequenas correntes. Racimos florais de 10 cm de comprimento que surgem da base das folhas. Flores com sépala dorsal rosa com estrias marrom-lilás que se viram para trás. Sépalas quase fundidas também marrom-lilás. Vegeta numa altitude entre 300 e 600m em matas claras.
 Planta pendente grande e robusta, com ramicaules cilíndricos do mesmo comprimento ou mais curtos que as folhas; folhas grandes e espessas, alongadas, verde escuro ou arroxeadas, espata grande com até quatro inflorescências por folha; inflorescência longa, porém bem mais curta que a folha, com muitas flores púrpura claro, de sépalas internamente brancas e bem abertas, que se destacam. Trata-se de uma das espécies mais vistosas entre as Pleurothallidinae do Brasil.
Pesquisa : Orchidstudium.com - Wikipédia; a enciclopédia livre  -Revista O Mundo das Orquídeas Nº 1
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...