segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Lophiaris pumila variedade 1

Oncidium pumilum, Trichocentrum pumilum, Lophiarella pumila, Epidendrum ligulatum, Oncidium minutiflorum.
 
Oncidium pumilum, Trichocentrum pumilum, Lophiarella pumila, Epidendrum ligulatum, Oncidium minutiflorum.



Lophiaris pumila

Sinônimos: Oncidium pumilum, Trichocentrum pumilum, Lophiarella pumila, Epidendrum ligulatum, Oncidium minutiflorum.

Origem: Essa espécie tem uma dispersão geográfica muito grande principalmente nas regiões mais secas da mata atlântica. No Brasil : RS, SC, PR, SP, RJ, ES, MG, BA, GO, MS, MT, PA e Argentina e Paraguai.

Altura da Planta: pseudobulbos com 0,5 cm-folhas  8 x 3 cm.

Dimensão da Flor: Inflorescência com 10 cm e flores com 0,5 cm
Época da Floração: Verão

Foto e cultivo:  Elisabete Delfini

Descrição: Pequena espécie epífita com minúsculos pseudobulbos ivais e achatados, de meio centímetro de altura, enzimados com folha ovalada e pontuda, grossa e quilhada, de 8 cm de comprimento por 3 cm de largura e de cor verde-escura . Inflorescência basal resistentes ereta e paniculada, de 10 cm de altura, portando pequenas flores amarelas com campos marrom. Parecem muito com as flores de uma mangueira. Essa espécie tem uma dispersão geográfica muito grande principalmente nas regiões mais secas da mata atlântica.

Pesquisa : Revista O Mundo das Orquideas – Wikipédia; a enciclopédia livre – Orchidstudium, Manual de cultivo da AOSP – Orquidário colibri

sábado, 28 de dezembro de 2013

Baptistonia cornigera

Oncidium cornigerum, Gomesa cornigera, Oncidium fimbriatum, Oncidium pyxidophorum, Oncidium chrysorhapis, Oncidium godseffianum, Oncidium hecatanthum, Baptistonia fimbriata, Gomesa chrysorhapis.

Oncidium cornigerum, Gomesa cornigera, Oncidium fimbriatum, Oncidium pyxidophorum, Oncidium chrysorhapis, Oncidium godseffianum, Oncidium hecatanthum, Baptistonia fimbriata, Gomesa chrysorhapis.



Baptistonia cornigera
Sinônimos: Oncidium cornigerum, Gomesa cornigera, Oncidium fimbriatum, Oncidium pyxidophorum, Oncidium chrysorhapis, Oncidium godseffianum, Oncidium hecatanthum, Baptistonia fimbriata, Gomesa chrysorhapis. 

Origem: Mata Atlântica

Dimensão da Flor: 2 cm

Época da Floração: Verão / Outono

Foto e cultivo:  Elisabete Delfini

Descrição: As flores em regra com menos de três centímetros quando esplanadas, de segmentos frágeis e delicados, geralmente amarelados ou alaranjados, pouco ou muito maculados de tons de marrom. sépala dorsal côncava, laterais menores, quase sempre um tanto concrescidas, algo escondidas sob o labelo. pétalas pelo menos tão grandes quanto a sépala dorsal e também um pouco côncavas. labelo longamente unguiculado, trilobado, de lobos laterais em regra estreitos, com calos diversos por sobre todo o unguiculo até a base ou metade do lobo mediano. coluna curta e arqueada pubescente na parte interior. antera unilocular com duas polínias.


Pesquisa : Revista O Mundo das Orquideas – Wikipédia; a enciclopédia livre - Orchidstudium

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Capanemia micromera

Acredito que não está da época de floração, foram apenas duas lindas e minúsculas,  estas foram as melhores fotos que consegui delas, até o momento, espero que gostem.
Quekettia micromera ,Quekettia micromera var. major

Quekettia micromera ,Quekettia micromera var. major

Quekettia micromera ,Quekettia micromera var. major




Capanemia Micromera

Sinônimos: Quekettia micromera ,Quekettia micromera var. major .

Origem: Venezuela, Argentina, Paraguai e Brasil

Dimensão da Flor: 0,5 mm

Época da Floração:Março/Maio

Foto e cultivo:  Elisabete Delfini

Descrição: Espécie cujas plantas quando sem flor são muito confunfidas com as plantas dos Pleurothallis e das Masdevallias. De crescimento baixo e rizoma fino e rastejante. Pseudobulbos finos, coberto de brácteas palhosas de cor marrom, encimadas por folha verde-brilhante fina e espatulada. Hastes florais unifloras, apresentando curiosa flor pontuda e arqueada, parecendo um pequeno e largo bico de pássaro. Possui duas aberturas laterais que permitem a entrada do inseto polinizador no seu interior

Pesquisa : Revista O Mundo das Orquideas – Wikipédia; a enciclopédia livre  

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Pleurothallis fusca variedade 1

Pleurothallis hypnicola Lindl.;Humboldtia hypnicola ;Specklinia hypnicola ; Stelis hypnicola .

Pleurothallis hypnicola Lindl.;Humboldtia hypnicola ;Specklinia hypnicola ; Stelis hypnicola .



Pleurothallis  fusca var.1

Sinônimos: Pleurothallis hypnicola Lindl.;Humboldtia hypnicola ;Specklinia hypnicola ;
Stelis hypnicola .
Origem:  Brasil-São Paulo e Rio de Janeiro

Dimensão da Flor: 1 cm

Época da Floração:Janeiro

Foto e cultivo:  Elisabete Delfini

Descrição: Sobre Pleurothallis fusca, P. hypnicola, P. cuneifolia
O tipo de Pleurothallis fusca, assim como o de Pleurothallis hypnicola, são nativos do Brasil, provavelmente do Estado do Rio de Janeiro. Descrevendo P. hypnicola, Lindley escreve que esta espécie é parecida à P. fusca. As poucas diferenças que ele menciona (inflorescência mais curta do que as folhas, sépalas laterais quase livres) são caracteres bastante variáveis: no grupo estudado, a inflorescência começa a produzir flores antes de ter atingido o seu comprimento máximo, o que significa que o comprimento relativo da inflorescência verifica-se em função de sua idade. Mais tarde, Lindley (1859) considerou estes táxons co‐específicos. Cogniaux (1896) também. Mas ambos usam o epíteto hypnicola em detrimento de fusca, no entanto anterior.

Cogniaux considera a Lepanthes wawraeana de Barbosa Rodrigues uma boa espécie e a transfere para o gênero Pleurothallis com o nome P. cuneifolia porque P. wawraeana já existia. Pabst & Dungs (1975) não mencionam P. fusca e – como fizeram Lindley e Cogniaux – consideram P. hypnicola o nome correto desta espécie. Eles colocam P. cuneifolia como seu sinônimo. Esta opinião foi seguida por Luer (2000), Pridgeon & Chase (2001) e Menini Neto et al. (2004). Miller et al. (2006) consideram o segundo táxon como uma variedade do primeiro.

Bolsanello e Chiron não concordam com as opiniões anteriores. Afirmam que principais diferenças entre Pleurothallis hypnicola e Pleurothallis cuneifolia são (no primeiro táxon em relação ao segundo): as folhas são duas vezes mais estreitas, flores 1,5 vezes maiores, as pétalas nitidamente mais estreitas, o labelo mais oval e menos unguiculado. Portanto, Pleurothallis cuneifolia (Lepanthes wawraeana=Pabstiella wawraeana) é uma espécie diferente, enquanto que Pleurothallis hypnicola entra na sinonímia de Pleurothallis fusca (Pabstiella fusca).


Pesquisa : Revista O Mundo das Orquideas – Wikipédia; a enciclopédia livre - Orchidstudium

terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Lokhartia lunifera






 



Lokhartia lunifera

Sinônimos: Fernandezia lunifera, Fernandezia robusta
.
Origem: Brasil

Dimensão da Flor: 2 cm.

Época da Floração: Verão

Foto e cultivo:  Elisabete Delfini

Descrição: Espécie epífita que tem uma dispersão geográfica muito grande, vegetando por quase todo o brasil. Epífita com caules longos de até 20 cm de altura, apresentando folhas disticadas e alentadas. Flor que surge de curtos racimos no ápice  Dos caules entre minúsculas panículas axilares. Flores amarelas que se parecem muito com as flores de um Oncidium.  É de fácil cultura.

Gênero classificado por Hooker, em 1827. Nome dado em homenagem a David Lockhart primeiro superintendente do Royal Botanic Gardens,falecido em 1846. Encontra-se na subtribo Oncidieae. Essa planta é interpretada como uma transição da subsérie Sympodiales para a Monopodiales com caules longos e rizoma curto, de onde brotam novos caules. Foi considerada tipo da subsérie Monopodiales, mas segundo Kraenzlin deve ser descrita como Pseudomonopodiales.

Pesquisa : Revista O Mundo das Orquideas – Wikipédia; a enciclopédia livre – Orchidstudium

domingo, 22 de dezembro de 2013

Lepanthopsis floripecten

Pleurothallis floripecten,Humboldtia floripecten,Lepanthes secunda,Pleurothallis unilateralis, Lepanthopsis unilateralis,Lepanthopsis secunda.

Pleurothallis floripecten,Humboldtia floripecten,Lepanthes secunda,Pleurothallis unilateralis, Lepanthopsis unilateralis,Lepanthopsis secunda.




Lepanthopsis floripecten

Sinônimos: Pleurothallis floripecten,Humboldtia floripecten,Lepanthes secunda,Pleurothallis unilateralis, Lepanthopsis unilateralis,Lepanthopsis secunda.

Origem:  Sudeste do México até América do Sul.No Brasil ocorre no Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Dimensão da Flor: de 4 a 6 mm.

Época da Floração: Inverno e primavera

Foto e cultivo:  Elisabete Delfini

Descrição: Encontrado em florestas de encosta úmidas, florestas de altitude e florestas elfos como uma miniatura de tamanho, quente para esfriar epífita crescendo sobre musgo cobriu filiais em altitudes de 300 a 2400 metros com ereta, terete hastes cobertas por inflacionados, bainhas ciliados e tem um único, elíptico-lanceoladas, subcoriáceas, retuse, apiculado, gradualmente estreita abaixo na folha base.

Pesquisa : Revista O Mundo das Orquideas – Wikipédia; a enciclopédia livre – Orchidstudium, IOSPE.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...